Skip Navigation Links

Projeto de Lei Apresentado Pela Loja "América" ao Grande Oriente do Brasil
 
RESENHA
Projeto de Lei apresentado pela Loja "América" ao Grande Oriente Brasileiro ao Vale dos Beneditinos e subscrito por Ruy Barbosa

É interessante por comprovar documentalmente o pensamento da Maçonaria logo após a fundção da Loja "América": o da necessidade da emancipação e não de uma simples "alforria generalizada".

Segundo a visão dos Maçons da época, havia a necessidade premente de criar condições para que os libertos pudessem, efetivamente, participar em condições de igualdade do jogo social.

Munidos do instrumental positivista, criam que a gradualidade deveria permitir:
  • A criação de infra-estrutura educacional que capacitasse os negros nascidos libertos com as habilidades intelectuais e o discernimento necessários ao pleno usufruto da liberdade e ao exercício dos místeres profissionais modernos.
  • O uso desta infra-estrutura para, de forma menos intensa, permitir aos alforriados adultos adquirirem instrumental cultural mínimo para sua introdução numa sociedade livre.
Posteriormente, com a percepção de que a gradualidade servia mais à manutenção do "status quo" escravagista do que, efetivamente, para uma ação emancipatória concreta, tratou a Loja "América" de adotar outra postura, embalando-se pela linha de pensamento de Luís Gama e Antônio Bento (com seus Caifazes).

Assim, se por um lado a ação da Loja (que criou, fomentou e sustentou, por exemplo, o Quilombo do Jabaquara, onde consta que em determinada época exilaram-se cerca de dez mil escravos fugidos e que era considerado um reduto inviolável) fez moverem-se as rodas da abolição, por outro a reação escravista impediu a criação de condições que possibilitassem a imediata inclusão dos libertos na nova sociedade.

Esta é uma chaga que, de certa forma, ainda não se cicatrizou completamente em nossa sociedade.

A Loja "América" apresenta à sábia consideração do Gr.'. Or.'. do Vale dos Beneditinos o seguinte projeto, requerendo sua conversão em lei geral e obrigatória para toda a Maçonaria estabelecida o país.

Art. 1o.: Sendo verdade inconcussa que a emancipação do elemento servil e a educação popular são hoje duas grandes idéias que agitam o espírito público e de que depende essencialmente o futuro da nação, a Maçonaria brasileira declara-se solenemente a manter e propagar esses dois princípios, não só pelos recursos intelectuais da imprensa, da tribuna e do ensino, como também por todos os meios materiais atinentes a apressar a realização dessas idéias entre nós.

Art. 2o.: Todas as LLoj.'. MMaç.'. instituídas no país, tanto as já existentes como as provindouras, não poderão alcançar nem continuar a merecer o título e os direitos de oficinas regulares e legítimas sem que adotem pelo mesmo modo esses dois princípios sociais, comprometendo-se a trabalhar com eficácia e tenacidade.

Art. 3o.: Todas as LLoj.'. Maç.'. sujeitas ao Gr.'. Or.'. Brasileiro, assim presentes como futuras, ficam obrigadas a abrir no orçamento de suas despesas uma verba especial, reservada ao alforriamento de crianças escravas.

§ 1o.: Esta verba será proporcional à soma total da receita de cada Loja, de maneira que seja sempre um quinto da receita total.

§ 2o.: Este termo proporcional será aplicado invariavelmente a todas as LLoj.'.

§ 3o.: Ficam também obrigadas todas as oficinas brasileiras a empregar todos os esforços possíveis dentro da esfera de seus recursos pecuniários, a fim de divulgar ativamente a educação popular, criando nos seus competentes vales escolas gratuitas de ensino primário, já noturnas ou domingueiras para adultos de todas as classes, já diurnas e diárias para crianças de um e outro sexo.

Art. 5o.: Nenhum indivíduo poderá mais obter o título e os privilégios de legítimo Maçom sem que primeiramente, antes de receber a Iniciação, declare livres todas as crianças do sexo feminino que daí em diante possam provir de escrava sua.

§ Único: Esta declaração será escrita e assinada pelo respectivo neófito e por testemunhas idôneas, escolhidas dentre os Maçons presentes, em número bastante para que venha a produzir todos os efeitos legais.

Art. 6o.: Todos aqueles que já se acham Iniciados em qualquer Ofic.'. Maçônica do Brasil ficam igualmente obrigados, logo que for promulgada esta lei, a lavrar um compromisso em que declare livres todas as crianças do sexo feminino, filhas de escrava sua, que possam vir à luz desse momento em diante.

§ Único: Esta declaração será escrita e assinada pelo respectivo in apenso e por testemunhas idôneas, em número suficiente, a fim de que possa produzir todas as conseqüêcias legais.

Art. 7o.: Para estas declarações de liberdade haverá em cada oficina um livro particular, numerado e rubricado pelos delegados do Gr.'. Oriente, ou em falta deles, pelo Venerável da Loja.

§ 1o.: As declarações serão feitas por cada Maçom de per si, não se admitindo nunca que mais de um indivíduo subscreva o mesmo compromisso.

§ 2o. Cada declaração individual será lavrada em uma das folhas do respectivo livro.

Art. 8o.: Se qualquer indivíduo recusar-se a fazer a declaração referida nos arts. 5o. e 6o., se ainda não for Maçom não poderá nunca ser Iniciado, e se já for ficará ipso facto coberto por toda a Maçonaria Brasileira, sendo a respectiva Loj.'. obrigada a comunicar esta ocorrência ao Gr.'. Oriente e às oficinas mais próximas ou àquelas que forem situadas em qualquer lugar para onde tenha de seguir o Maçom suspenso.

Art. 9o.: Se qualquer Maçom, apesar de ter escrito e assinado a declaração indicada nos arts. 5o. e 6o., continuar a criar e manter ilegalmente na escravidão as crianças, a que tenha dado liberdade pelo seu compromisso, fica a respectiva Loj.'. obrigada a participar logo e logo este delito ao Gr.'. Oriente, o qual, tanto que receber esta comunicação, declara o delinquüente excluído do Grêmio da Maçonaria Brasileira, como desobediente aos decretos do Gr.'. Oriente, ficando privado de todos os títulos, direitos, privilégios e dignidades que possuir.

Art. 10o.: No caso figurado pelo artigo antecedente, cumpre à respectiva oficina escolher sem demora pessoa competente que processe o criminoso perante os tribunais civis, servindo-se do compromisso por ele escrito e assinado, a fim de obter a sentença de liberdade em favor das crianças mantidas em injusto cativeiro.

Art. 11o.: A Loj.'. Maç.'. que não satisfizer rigorosamente às obrigações determinadas nos artigos precedentes será pela primeira vez repreendida e intimada a cumprí-las e se resistir ficará suspensa, como refratária às leis do Gr.'. Oriente Brasileiro.

Art. 12o.: Todas estas disposições, cuja abolição à Maçonaria Brasileira depende ainda de resolução do Gr.'. Oriente, começam a vigorar desde hoje como lei positiva no seio da Loj.'. "América".

São Paulo, 4 de abril de 1870

RUY BARBOSA



   
Copyright © 2017 Maçonaria Virtual